Afinal, como funciona a tiragem de livros? Nós explicamos!

Afinal, como funciona a tiragem de livros? Nós explicamos!

Quando um escritor entra para o mundo editorial, ele depara-se com alguns termos usados na área e é normal ter dúvidas sobre o que essas palavras querem dizer. Um desses termos é a famosa “tiragem de livros”.

Entender o conceito de tiragem é fundamental se pretende ser um escritor. Com essa compreensão, consegue calcular melhor quantos exemplares do seu livro devem ser produzidos, além de outros aspectos.

Continue a leitura para saber mais sobre esse tema!

O que é a tiragem de livros?

O conceito de tiragem é muito simples: quando se trata de livro impresso, é o número de exemplares produzidos. É comum que surja, também, dúvida sobre a diferença entre “tiragem”, “impressão” e “edição”, então saiba que as duas primeiras palavras são sinónimas, mas a última tem outro significado.

A edição diz respeito ao conteúdo final, ou seja, o texto que foi revisado, editado e que vai compor o livro — seja em formato físico ou digital. A primeira vez que um livro é lançado chama-se “primeira edição”, e então define-se a quantidade de exemplares que serão feitos, ou seja: a tiragem ou impressão.

Se os exemplares se esgotarem e for preciso imprimir mais, sem alterar o conteúdo, o livro terá uma nova tiragem — ou uma reimpressão — mas continuará em primeira edição.

Se o autor ou a editora decidem fazer mudanças no texto, a edição já não será considerada como primeira, e sim como segunda, para a qual se define outra vez a tiragem (quantos exemplares serão impressos).

Como funciona a tiragem?

A tiragem de livros é executada pelas gráficas e, actualmente, os tipos mais comuns de impressão oferecidos por essas empresas são:

Offset

Impressão rápida, indicada para grandes quantidades de exemplares, quando há muitas cores e o prazo é curto. Assim, é ideal para revistas ou jornais, por exemplo.

Digital

Tampouco é demorada, mas é mais indicada para trabalhos que precisam de alta definição e tenham poucas cores, como livros, cardápios ou convites.

Das duas opções, a offset é a mais cara, por exigir equipamentos especializados, e nem todas as gráficas o conseguem fazer. Por esse motivo, a impressão digital é a de melhor custo-benefício quando a tiragem de livros é baixa, ficando em torno de 100 e 500 exemplares. Acima dessa quantidade, já se considera alta tiragem e compensa fazer em offset.

De que maneira se define a tiragem de um livro?

Os escritores que publicam pela primeira vez geralmente optam pela baixa tiragem, visto que ainda não sabem se a obra será bem recebida no mercado.

Possivelmente pensará que imprimir poucos livros faz o preço aumentar. E isso é certo. Mas, considere o facto de que é mais fácil garantir a venda de 100 exemplares do que imprimir 1000 e ficar com os livros estocados.

Portanto, a melhor forma de definir a tiragem do seu livro é ter consciência da quantidade de pessoas que podem interessar-se pela sua obra, não tendo o escritor ainda nome no mercado.

Na hora de pedir uma tiragem considere também aspectos como o tipo de papel e os acabamentos, incluindo:

  • costura;
  • tamanho;
  • cores;
  • capa dura etc.

É possível pedir mais tiragens?

Recomenda-se que as novas tiragens sejam solicitadas quando perceber que há demanda pelo livro, ou seja, quando estiver seguro de que os novos exemplares de facto serão comprados pelos leitores.

Principalmente fale com o seu editor sobre a tiragem e peça sempre um número consciente de exemplares, o objectivo é que todos os livros pedidos sejam vendidos, nem que o caminho para o sucesso seja mais lento que o esperado. Tenha paciência e desfrute do processo.

5 segredos do design de capas de livros

31 Agosto, 2018

Executiva lança guia prático sobre processos e gestão de riscos

31 Agosto, 2018

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *